sábado, 28 de março de 2015

EXPOSIÇÃO SOMENTE MULHER

A ideia de dedicar um mês ao ideário de lutas e reivindicações femininas: por melhores condições de trabalho, de vida e direito ao voto, veio de uma serie de movimentos liderados por ativistas femininas de diversas nacionalidades, que coincidiam a este período.
Festejamos o mês da mulher com uma lembrança das conquistas femininas representadas no trabalho do artista Joel Dumara, autodidata que faz suas pinturas conciliando a profissão de bancário.
Esta é a segunda exposição individual. A primeiro, "Maranhão que grita", foi realizada em Janeiro.
Esta mostra reúne 15 obras que traduzem a graça e a aura feminina, seus anseios e conquistas. As telas abordam situações pontuais da vida da mulher como um ser atuante, social e sintomático.
Sintomático
De amor,
De beleza, sensualidade, harmonia e equilíbrio em suas telas, representando a união das raças, inspiração nas Graças mitológicas da tela "Alegoria à beleza"

De ardor e paixão, nas obras que representam a união amorosa, em "O beijo", tema já retratado antes por Rodin e Klimt; e na tela À um passo da Eternidade, inspiração na cena imortalizada no filme homônimo; 



      De impulsividade e rebeldia na obra “De cabelos ao vento





De representação icônica, na captura do movimento de Queima dos sutiãs realizado na França, simbolizando liberdade e liberação feminina, no ato de jogar os sutiãs para cima na tela Belle époque





quarta-feira, 4 de março de 2015

CINEMA E HISTÓRIA DA ARTE

Para entender a trajetória da criação artística na história ocidental é mais prazeroso aliar o estudo e a sétima arte. O cinema concilia biografias de artistas, documentários e trechos de filmes que traduzem em riqueza de luzes e cores esses momentos nas artes visuais.

1 - A Guerra do fogo
Arte Rupestre: O homem pré-histórico em convívio e seus primeiros utensílios.
2 - Agonia e êxtase
Arte Renascentista: Mostra a biografia de Michelangelo no momento histórico da pintura do teto da Capela Sistina e seus conflitos com os artistas e com o papa Julio II.

3 - Rembrandt, 1936
Arte Barroca: A obra retrata a mudança de vida do pintor Rembrandt e a morte de sua companheira.

4 - Moça com brinco de pérola (trecho)
Adaptação do romance homônimo de Tracy Chevalier e estrelado por Colin Firth, Scarlet Johansson. O filme envolve ficção e realidade no relato sobre a vida do pintor holandes Johannes Vermeer durante a criação do quadro Moça com brinco de pérola. O trecho do filme traz cenas especiais para entender a pintura e seu processo de criação como no detalhamento da utilização da câmara escura e o processo de confecção de tinta à óleo.

5- The moon and sixpence, 1943
Arte Pós-Impressionista, Arte Expressionista: Retrata a vida do artista Paul Gauguin

6 - Sonhos
Vídeo comentado que analisa os episódios exibidos no filme do cineasta japonês Akira Kurosawa.
Vale um olhar especial à passagem que retrata as obras do pintor expressionista Vincent Van Gogh

7 - Moulin Rouge
Baseada na novela de Pierre La Mure, o filme retrata momentos da vida do pintor Toulouse-Lautrec

8 - Lust for Life (Sede de viver)
Uma das adaptações sobre a vida de Vincent Van Gogh

9 - O mistério de Picasso
Uma das adaptações sobre a vida do artista espanhol Pablo Picasso.

10 - Frida: natureza viva, 1984
Adaptação sobre a vida de da artista mexicana Frida Kahlo

11 - Caravaggio, 1985
Adaptação da vida e obra de Michelangelo Merisi, Caravaggio

12 - Camille Claudel
Duas adaptações da vida da escultora Camille Claudel, uma de 1988 com Isabelle Adjani, retrata o início do relacionamento da artista com Rodin,  e outra de 2013 com Juliette Binoc, mostra o final de sua vida, enclausurada em um manicômio



13 - Vincent e Theo, 1990
Retrata passagens da vida do pintor holandês Van Gogh e de seu irmão.

14 - Van Gogh, 1991: adaptação sobre o último verão da vida de Van Gogh.

15 - Surviving Picasso, 1996: adaptação da vida de Picasso e sua amante Françoise Gilot.

16 - I shot Andy Warhol, 1996

17 - Lautrec, 1998: adaptação da vida de Toulouse Lautrec, baseada em sua vida pessoal.

18 - Goya en Burdeos, 1999: adaptação dos últimos meses de vida de Goya.

19 - Abajo el telón, 1999
Nessa obra Diego Rivera recebe a tarefa de pintar a antecâmera do Rockefeller Center, em um período complicado para os artistas.
20 - Pollock, a vida de um criador, 2000
Biografia que retrata o início da carreira do artista
21 - Poucas Cinzas: recriação do tempo que passaram juntos Buñuel, Garcia Lorca e Salvador Dalí. Há ainda Dalí, 1991: adaptação sobre o início da fama de Salvador Dalí.


Destino. Animação de Salvador Dalí em parceria com a Walt Disney

22 - Frida, 2002
Adaptação do livro de Hayden Herrera sobre a vida de Frida Kahlo e Diego Rivera

23 - Modigliani - A paixão pela vida, 2004: adaptação da rivalidade entre Picasso e Modigliarini

24) Klimt, 2006: adaptação da vida de Gustav Klimt.


25 - As sombras de Goya, 2006


Marcada pelo contexto da Inquisição Espanhola, a obra narra momentos históricos em que o pintor Francisco de Goya estava imerso.

26 - El Greco, 2007
Adaptação da novela de Dimitris Siatíopulos sobre a vida de El Greco

27 - Renoir, 2013
Adaptação da vida do pintor Auguste Renoir

28 - Basquiat
Biografia de Jean Michel Basquiat, precursor na arte das ruas com o uso do grafite

29 - Lixo Extraordinário
Mostra a obra do artista plástico brasileiro Vic Muniz

30 - O Sal da terra
Documentário que retrata a vida de Sebastião Salgado,  fotógrafo brasileiro consagrado internacionalmente




*Houve supressão e ampliação, atualizando e adaptando para utilização como fonte de pesquisa e para exibições em sala de aula.
*Ficarei ampliando esta lista.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

GÊNESIS - Sebastião Salgado


Circula pelo Brasil a mostra, resultado do ultimo trabalho, de Sebastião Salgado. O talentoso fotógrafo e, porque não dizer, pesquisador brasileiro que vive atualmente na França.
Saiu uma bela reportagem do trabalho em um dos últimos exemplares da revista Bravo!
Vamos torcer para termos esta maravilha em nossa cidade. Por enquanto resta-nos prestigiá-la no CCBB de Brasília com 245 fotografias.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

MOVELARIA GUANABARA

A volta de Bandeira Tribuzi de Portugal, em 1945, encontra a juventude intelectual de São Luís reunida no Centro Cultural Gonçalves Dias. Posteriormente, reunidos no local pelo qual seriam mais conhecidos, Movelaria Guanabara, que foi o primeiro movimento modernista em São Luís. Reuniu literários,  artistas plásticos, teatrólogos e folcloristas.

sábado, 10 de julho de 2010

A arte e os subprodutos do peixe


A Arte Contemporânea abre espaço para novos diálogos à serviço da criatividade, do bom gosto e, porque não?, do ecologicamente correto. É o que propõe a exposição de Jacirene de Sousa.
Graduada em Artes, pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA, e em Biologia, pela Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, ela alia as duas áreas de conhecimento em suas pesquisas. Descobriu recentemente uma técnica simples e barata para curtimento da pele de peixe e o aproveitamento de escamas e tólitos (as pedras encontradas na cabeça). Estes são subprodutos, descartados quando se tira as postas de filé do peixe (para a comercialização nos mercados), e que podem ser utilizados para produtos de moda!

O resultado de seu trabalho pode ser conferido em uma exposição na Galeria de Arte do SESC durante este mês de julho. Ela consta de uma instalação composta por fotografias que abordam o processo de extração do material para seu uso à medida que instiga uma reflexão sobre o aproveitamento de materiais, que normalmente são descartados direto para o lixo; além das roupas confeccionadas com materiais desenvolvidos pela artista.
A artista afirma: "Eu sinceramente gostaria muito de poder ajudar as comunidades pesqueiras a tirar mais proveito de sua atividade. Em vez de apenas venderem peixes, que fossem também importantes fornecedores de peles e com isto o que hoje vai para o lixo iria vestir ou enfeitar pessoas".               


terça-feira, 4 de maio de 2010

Arte em miniatura

A arte está destinada a nos causar surpresas, ainda nos deixa plerplexos com o que é feito em nome de reinvenções que, atribuidas à expressão de idéias e sentimentos, dão novas formas e significados à realidade...
A imaginação e a criatividade põem à prova seus limites: O inusitado na Arte Contemporânea pode ser conferido nas obras do autraliano Ron Mueck e suas esculturas hiperrealistas e, mais recentemente, nas obras dos artistas Slinkachu e Willar Wigan.
Apesar do óbvio, que nos chama atenção da dimensão dos trabalhos, eles apresentam suas obras em diferentes propostas e contextos. Um confecciona suas miniaturas e as insere como intervenções urbanas, as registra e, posteriormente, instaura uma interação com o publico, esperando que ele as perceba.

Slinkachu transmite mensagens em seus trabalhos, são verdadeiras análises da vida social pós moderna. 

willar wigan é outro artista que trabalha miniaturas, mas em um contexto diferenciado, suas obras são expostas em galeria, mas, vistas com auxilio de microscópios...

segunda-feira, 22 de março de 2010

Frida Kahlo e "As cores de Frida"

Volta em cartaz nesta quarta-feira As Cores de Frida às 21h no Teatro Arthur Azevedo.
O espetáculo que interpreta aspectos simbólicos da vida e obra da artista plástica mexicana, surgiu da apresentação magistral de um trabalho de Conclusão de Curso de Graduação de Leônidas Portella . O elenco conta com nomes como Tatiane Soares e Rosa Ewerton.
Sinopse divulgada pelo espetáculo:
* "Nesta proposta de montagem, a pesquisa sobre a Dança-Teatro alemã contextualiza-se às releituras de pinturas, cartas, tintas e esquadros da pintora mexicana Frida Kahlo (1907-1954) uma revolucionária artística, sexual, política, social que agonizou em suas telas a constante degradação de seu corpo durante sua vida".

Frida teve uma vida trágica, sofrida, mas sua determinação e talento sempre ocupam espaço para releituras e interpretações em varias modalidades artísticas.

terça-feira, 9 de março de 2010


"Uma de nós...'' é o título da exposição em  comemoração à mulher!

As artistas plásticas Rosilan Garrido, Marlene Barros, Ana Borges, Adrianna Karlem e Romana Maria reuniram-se também no intuito de fazer referência in memorian à artista Renata Jatahy.

A arte do cartaz é um registro, feito pelo fotógrafo Edigar Rocha, do trabalho feito por ela, intitulado: "Por fora bela viola..." uma instalação que direciona questionamentos sobre os lados intrínsecos da feminilidade.

Os trabalhos começam a ser vistos na escada de acesso à Galeria de Arte do SESC com uma intervenção com objetos de Marlene Barros intitulada: "Noiva" celebrando a mulher e suas expectativas simbolizadas numa urna em forma de coração pedindo: "Deposite seus sonhos"...
Há dois trabalhos de Adrianna Karlem, um objeto e uma video-instalação.
Além de instalações e objetos de Romana Maria, há também registros fotográficos através de aparelho celular em um trabalho de Rosilam Garrido.
*Ambientação do espaço e objetos de Marlene Barros e Renata Jatahy

Dentre as homenagens à Renata, além de trabalhos da artista cedidos por seus familiares, foram feitos mobiles para a ambientação do espaço e exibição de objetos de Marlene Barros.
A obra "À flor da pela" registra Renata jatahy por Ana Borges.

Há uma ala com elementos que se direcionam, simbolica e fisicamente, à artista, em seus trabalhos, em sua personalidade, seus gostos. Que se fazem presentes em cada objeto.

quarta-feira, 3 de março de 2010

GUERNICA em3D

Este imenso painel ganha este estudo em três dimensões detalhando a obra, que é uma das mais célebres do pintor Pablo Picasso!
Guernica é um imenso painel monocromático, pintado à óleo, que retrata os horrores da guerra, em especial, o bombardeio sofrido pela cidade espanhola de Guernica em 26 de abril de 1937 por aviões alemães.

domingo, 13 de setembro de 2009

Nós Que Somos Muitos



A mostra de pintura "Nós Que Somos Muitos..." de Raurício Barbosa, depois de sua exposição no SESC, está em cartaz até o dia 30 de setembro no Parque Botânico da Vale. Morando atualmente no Rio Grande do Sul, o artista, que nesta mostra buscou retratar as lendas e o cotidiano do povo maranhense, atua em diferentes experimetações como o body painting: estilo de arte performática que usa o corpo como suporte. Ele alia mínimos detalhes na pintura corporal buscando a fusão entre o corpo e a paisagem, camuflando-o em muros, paredes e becos, conferidos pelas ruas do Centro Histórico de São Luís em uma atividade pertencente à mesma exposição, em parceria com a Galeria de Arte do SESC e à IV Mostra SESC Guajajara de Artes.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Arte e Impacto

A Arte, em sua evolução cronológica, não está, necessariamente, sempre relacionada à beleza, eis uma das mudanças na estética contemporânea!!
Desde a Pré-História indícios de ações, que elevadas ao status de Arte, nos causam impacto! São causas e efeitos que se bastam em sua contextualização, como os desenhos de bizões impressos em paredes das cavernas com sangue, em busca de boas caçadas ou esculturas como culto à fertilidade feminina na Vênus de Willendorf. Já no Egito antigo, a arte estava vinculada à religiosidade. Atualmente seus objetos e utensílios ricamente trabalhados e múmias são os registros estéticos de um dos povos mais habilidosos e intrigantes das civilizações passadas. Por isso podemos afirmar que a arte está sempre vinculada ao absurdo, não nos causa espanto ver tais objetos como estes em uma exposição. O que também poderá ocorrer quando a arte produzida na contemporaneidade for exposta no futuro!
Specimen Art
Esta visão polêmica da Arte atual estende-se com a Specimen Art posta em discussão por John Naisbitt no livro "High Tech, High Touch - Technology and our search for meaning", em 1999.
É uma modalidade artística que levanta questionamentos como efeito de sua impactante apresentação. Usa os mais diferentes suportes a favor da representação do corpo e seus fluidos naturais.
O inglês Mark Quim é um dos mais respeitados adeptos, em uma de suas obras mais celebres, Self (2001), usa o próprio sangue e seu molde para a confecção de uma cabeça. O caráter simbólico de representação da vida é posto em xeque, para uma extenção de si mesmo.
Copyright © Francisca Costa- Todos os direitos reservados

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

MOVIMENTO GOROROBA

O Movimento Gororoba surgiu de um grupo de estudantes universitários, que tinham a necessidade de mostrar trabalhos com teores de engajamento social e político, divulgados em quatro exposições nos anos de 1977 a 1980.
Na história da Arte, tal posicionamento já havia sido experimentado no Realismo, Expressionismo e por artistas como os mexicanos Diego Rivera, José Clemente Orozco e Davi Alfaro Siqueiros em sua arte mural na década de 1920, que tinha o objetivo de pintar para o povo. Segundo Castelani, só mesmo o mural poderia redimir artisticamente um povo que esquecera a grandeza de sua civilização pré-colombiana durante tantos séculos de opressão estrangeira e de espoliação por parte das oligarquias nacionais culturalmente voltadas para a metrópole espanhola. Os muralistas constituíam um grupo atuante e criativo que formava a vanguarda cultural revolucionária do México, com forte sentido do valor social de sua arte. Intenções semelhantes?
O grupo possuía visão partidária, sim!  Com envolvimentos em diretórios acadêmicos, partidos políticos e sindicatos. Fatores que incentivavam a utilização de temas que retratam esse tipo de estética mobilizando e contextualizando diversas linguagens artísticas à história sócio-política na Arte local. Mostraram também uma diversificação de estilos, técnicas e materiais.
Registros da atuação do grupo podem ser conferidos em minha pesquisa que se encontra no acervo do curso de Especialização em História do Maranhão na UEMA (entitulando o tema), em matérias de jornais, já bastante deteriorados, da época, na Biblioteca Pública Benedito Leite que me forneceram os principais dados; menção na uma monografia de conclusão de curso do artista Maciel Pinheiro, em um site com uma página sobre o artista César Teixeira e, mais recentemente, no livro Veredas Estéticas de João Carlos Pimentel.
1ª Exposição: junho do ano de 1977 em comemoração ao aniversário de fundação do teatro Artur Azevedo.
2ª exposição: 17 de junho a 02 de julho de 1978

 Pintura de Joaquim Santos, s/título.

Detalhe da instalação de Murilo Santos
 Pintura utilizando estuque, recursos fotográficos e sobreposição de objetos, de Murilo Santos.

Recorte do Jornal O Imparcial, identificando uma das exposições do Grupo.

fonte: http://www.outrostempos.uema.br/curso/especializacaopdf/fran.pdf

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Iconografia Urbana de São Luís III

ICONOGRAFIA URBANA DE SÃO LUÍS é o título das mostras artísticas realizadas pelo ICNOS, grupo de artistas que desde 2003 desenvolve trabalhos com o propósito de discutir a imagem da cidade com seus antigos e novos ícones caracterizadores, materializados por meio de objetos, instalações e outras formas de expressões artísticas contemporâneas.
A exposição de 2008 é a terceira, realizada pelo grupo, composto por obras de Adrianna Karlem, Beto Nicácio, Francisca Costa, Wallace Santana, João Carlos Pimentel, Maciel Pinheiro, Mônica Rodrigues, Raimunda Fortes e Régis Costa Oliveira, tendo a Convivência como sua temática atual.
http://www.elo.com.br/pagina.php?dst=novidades&id=183223


TRABALHOS

"APRENDER A SER E A CONVIVER " Maciel Pinheiro
"Inspirado na violência urbana ludovicense. É um protesto e contra o excesso de gente na cidade e no planetaÉ um tributo à natureza humana (não há nada mais mortal e destrutivo do que o ser humano, a violência é o único meio de pelo qual evoluímos). É uma alusão à hipocrisia dos que são a favor do desarmamento" (notas do artista).

"APENAS MARANHENSE" Francisca Costa
Convivência com enfoque direcionado em olhares críticos à poluição visual.
Expressões que limitam a linguagem culta de nosso idioma e formas de pronunciação. Tida como uma das cidades com a lingua mais limpa e livre de sotaques São Luís se orgulha de intitular-se Atenas Brasileira.
Contraste em vistas seu histórico cultural como o da terra em que trouxe Odorico Mendes, tradutor da Ilíada, obra de Homero tida como fundadora da tradição literária ocidental.
O termo parte de um período de ascensão na economia e conseguintemente na cultura. (Jorge Leão).
A Estrutura física: Um Móbile que traz ao centro um lampião (memória cultural / contemporâneo) com fotografias penduradas.
Fragmentos e letreiros com erros de construção gramatical, expostos em prédios pela cidade, apontados pelos alunos da Escola Rubem Almeida em uma aula extraclasse.
A obra propõe uma interação direta com o fruidor que à medida que observa as fotografias, dialoga com sua própria imagem refletida em espelhos no móbile e seu papel como cidadão formador de opiniões. Há ainda um letreiro com letras manipuláveis com ímãs ao seu centro que faz um convite à ordenação de palavras além das expostas como o trocadilho ATENAS e APENAS.

"NEWTON SÁ, POR ONDE ANDARÁ? " Raimunda fortes
"Pessoas foram fotografadas com a pergunta "Por onde andará" em lugares nos quais existiam duas obras públicas de Newton Sá (artista maranhense que completaria 100 anos em 2008). Como essas obras já desapareceram e não existem registros do que aconteceu com elas, o tecido preto está recobrindo a imagem delas deixando ver por uma abertura apenas uma cruz que representa a morte delas para o público e as pessoas que continuam sem uma resposta para a sua indagação" (notas da artista).

"CONVIVÊNCIA EM TRÂNSI TU" João Carlos Pimentel
"Que perguntas e que respostas se pode ter a respeito do trânsito de São Luís? E de que forma convivemos com isso no nosso dia-a-dia!? No seu trabalho CONVIVÊNCIA EM TRÂNSI TU, João Carlos buscou expressar um pouco desse tormento pelo qual, quase todos nós, somos obrigados a passar cotidianamente em São Luís.A obra é materializada numa pequena placa de fibra de madeira prensada tingida com piche e preenchida ao longo de toda a sua extensão com números de placas de carros nos dois sentidos de um avenida, entrecortados por um canteiro ocupado para as mais diversas finalidades.Como últimos elementos aparecem os fragmentos de fita gomada representando tudo o que vive prendendo ou prendendo-se ao trânsito: a imprudência, a fadiga, o estresse, as barreiras, os acidentes, os assaltos, os pedintes, os pedestres e tantas outras categorias impregnadas na dinâmica das ruas e avenidas de São Luís" (notas do artista).
"FRAGMENTOS: ÍCONES DA ICONOGRAFIA URBANA DE SÃO LUÍS" Monica Rodrigues


"A utilização de recursos visuais fotográficos com registros de locais conhecidos ou não, mas presentes no cotidiano ludovicence, incorporado a um suporte comumente conhecido para uso de calçamento. Locais de percurso de pedestres que são sujeitos ativos que andam a maioria das vezes com os olhos voltados para o chão e um olhar fugaz, insuficiente para dar conta das visualidades de nossa iconografia urbana.
De um Projeto denominado Analogias da Arte realizado com alunos do CEGEL em 2003. Trabalha História da Arte observando a realidade de nossa cidade e sua estética urbana.
Pesquisa in loco, numa expedição cultural e o uso do registro fotográfico de locais às vezes passados despercebidos no corre-corre diário das pessoas.
As visualidades registradas nesta ocasião continuaram gerando novos conceitos e possibilidades de enfoque de construção plástica, daí o novo trabalho: Fragmentos". (notas da artista)

"LEMBRANÇAS DE SÃO LUÍS" Regis

"SEM TÍTULO" Beto Nicácio

O trabalho joga com o conceito de "depósito" entre terminais bancários e privada...


" A CIDADE: APENAS UMA OBRA" Adrianna Karlen

"A cidade grita
nas suas vias
transforma-se em ruínas
A cidade
afunda
eleva-se
elege-se
Apenas uma cidade" (Adrianna Karlen)

" TORRE DE ECOS: VIDAS REAIS"


Pessoas
Vidas
Vozes
Ressonância
Encontros
Desencontros
Diversidade de tribos
Uma língua
Muitas falas
Convivência... (Adrianna Karlen)

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Arte para Crianças


A mostra contemporânea "Arte para Crianças" patrocinada pela Companhia Vale do Rio Doce está em cartaz desde o dia 19 de agosto no Convento das Mercês. Traz trabalhos de Yoko Ono como a Árvore dos desejos onde os visitantes interagem pendurando uma aspiração propria, um desejo, obras de de Rubem grilo onde paredes preenchidas de imagens em miniatura xilogravadas, video instalação de Mariana Manhães. As obras de uma forma geral nos dão uma noção de interação com pessoas, o meio. Uma forma de pensar um mundo melhor e consciente.


domingo, 17 de agosto de 2008

Mapa cronológico na Arte Contemporânea Maranhense


Muitos artistas maranhenses formaram-se pelo curso de Educação Artística UFMA, Implantado em 1971. Dentre os quais figuram-se Ana Borges, Airton Marinho, Ciro Falcão, José João Santos Lobato, Donato Fonseca, Paulo César, Rosilan Garrido, Eugênio Araújo, dentre outros.
Entre os acontecimentos que nortearam o período destacam-se as fundações do Centro de Arte Japiaçú em 1972, do Museu Histórico e Artístico do Maranhão em 1973 e a criação da Associação dos Artistas Plásticos do Maranhão em 1976 pelos pintores Nagy Lajos, Ambrósio Amorim, José João Lobato e Jesus Santos.
Surgiram movimentos como o Antroponáutico de 1972 que, por sua vez, influenciou o Movimento Gororoba da década de 80, que teve como participantes representantes das diversas modalidades de arte como Valdelino Cécio, Sérgio Abib, Josias Sobrinho, César Teixeira, Paulo César e Ciro Falcão. Além do movimento Mirarte de 1982, fundado por Fernando Mendonça e Marçal Athaíde, que recebeu influência do artista Rubens Gerchman. Na mesma década alguns artistas iniciam estudos com o artista húngaro Nagy Lajos.
Os anos 90 foram marcados pela realização anual, de 1991 até 1996, da Coletiva de Maio no Salão de Maio do Convento das Mercês, sede da Fundação José Sarney. Patrocinada pela Universidade Federal do Maranhão, pela Alumar e sob coordenação de Maria do Carmo Cabral Marques, promovia mostras que difundia a produção artística contemporânea local.
Outro evento que norteia a cultura local é o Concurso Literário e Artístico Cidade de São Luís criado em 1955 e hoje instaurado como lei municipal. Promovido pela Prefeitura Municipal de São Luís, através da Fundação Municipal de Cultura, realiza premiações nas áreas de artes visuais e literatura.

Seguindo tendências e manifestações artísticas ancoradas por movimentos contemporâneos, artistas como Didi Muniz e Marlene Barros, entre outros, utilizam instalações e vídeo instalações como forma de expressão artística.
Aliados a esse fato ampliaram-se os espaços que divulgam e incentivam as manifestações artísticas maranhenses com exposições permanentes e temporárias como: o Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, o Convento das Mercês e o Palácio dos Leões. E espaços que exibem mostras temporárias como o Palacete Gentil Braga e a Galeria de Arte do Serviço Social do Comercio – SESC.